Rede de solidariedade científica seleciona voluntários para atuar na comunicação

Já pensou em utilizar os seus conhecimentos para ajudar a combater a pandemia, colaborando e aprendendo com profissionais qualificados sobre comunicação científica?

A “Rede CoVida – Ciência, Informação e Solidariedade”, um projeto de colaboração científica e multidisciplinar do Cidacs/Fiocruz e da Universidade Federal da Bahia (Ufba), está convocando estudantes interessados em se voluntariar para atuar em esquema de home office na Comunicação da Rede, nas áreas de revisão textual, produção jornalística, produção audiovisual ou design gráfico. Os estudantes irão se unir a dezenas de profissionais renomados em uma iniciativa que visa monitorar e compreender a pandemia de Covid-19 no Brasil, disseminando informações confiáveis para a sociedade

Os voluntários precisam estar cursando a partir do 3º semestre dos cursos de Comunicação Social, Letras, BI de Humanidades ou Artes e ter disponibilidade de 20 horas semanais para dedicação ao projeto. Os estudantes terão a supervisão de profissionais pós-graduados para auxiliar nas atividades e receberão certificado de extensão pelo tempo dedicado ao projeto.

Para participar do processo seletivo, basta enviar currículo e um texto de até uma lauda com o tema “como está sendo minha quarentena” com o título da área pretendida (revisão textual, produção jornalística, produção audiovisual ou design gráfico) para o e-mail  redecovida.19@gmail.com até o próximo domingo, 19 de abril.

           

Sobre a Rede CoVida

A “Rede CoVida – Ciência, Informação e Solidariedade” é um projeto de colaboração científica e multidisciplinar focado na pandemia de Covid-19. A rede visa ao monitoramento da pandemia no Brasil, com previsões de sua possível evolução. Visa também à produção de sínteses de evidências científicas tanto para apoiar a tomada de decisões pelas autoridades sanitárias quanto para informar o público em geral. É uma iniciativa conjunta do Cidacs/Fiocruz e da Universidade Federal da Bahia (Ufba), com apoio de colaboradores de outras instituições de pesquisa nacionais e internacionais.

Deixe uma resposta