Novo boletim aponta cenários de insuficiência de leitos no país

Karina Costa 

Supondo que as medidas de distanciamento social fossem flexibilizadas, a partir de 27 de abril, o crescimento da circulação de pessoas assintomáticas provocaria um aumento de 50% na taxa de transmissão deste grupo. Essa é uma das predições apontadas na quarta edição do Boletim CoVida, que será lançado nesta quarta-feira, dia 29 de abril, às 14h. O boletim aponta possíveis cenários para as próximas semanas, sobretudo, para a Bahia no webinar Boletim CoVida 4# – “Fortalecer o Sistema de Saúde para Proteger a População”.

Inscreva-se pelo link https://bit.ly/3bM18kr*

A transmissão do lançamento também é feita via YouTube do Cidacs (youtube.com/cidacsfiocruz), onde ficam disponíveis todos os webinars da Rede.

Na nossa janela de projeção podemos observar um aumento, ao final da primeira semana de maio, de 75% no comportamento da curva de casos acumulados, 23% de aumento no número de óbitos, 58% de incremento na necessidade de leitos clínicos e 68% nos leitos de UTI. Estes resultados apontam que a suspensão precoce das medidas de distanciamento social pode levar a grandes impactos, tanto nas necessidades de hospitalizações nos sistemas de saúde quanto no número de casos e, consequentemente, nas mortes”, destaca o documento ao observar os resultados no qual os modelos apontam para um cenário de maior flexibilização.

Porém, mesmo com o cenário de distanciamento social atual, diversos estados já estão em colapso ou com sistemas bastante pressionados pela quantidade simultânea de casos e casos graves.  E isso não está tão distante da Bahia, a partir do dia 4 de maio é possível que o estado comece a ter seus sistemas de saúde pressionados, analisam os pesquisadores, considerando a quantidade de leitos gerais e de Unidade de Terapia Intensiva.

Para o lançamento, o pesquisador Elzo Júnior fará apresentação da Rede e da estrutura do Boletim. A pesquisadora Juliane Oliveira vai descrever como foram feitos os modelos matemáticos para previsão de casos, hospitalizações e óbitos por Covid-19. Para os comentários e recomendações da Rede CoVida, contaremos com o pesquisador Luis Eugênio de Souza.

Esse boletim, avança a modelagem e passa a inserir novos fatores. O primeiro boletim iniciou com o modelo SIR (Suscetíveis, Infectados e Recuperados), que é utilizado para fase inicial. A epidemia avançou e, para compreender as necessidades dos sistemas de saúde, um novo modelo foi criado pelo grupo de pesquisadores, e inclui estimativas sobre a necessidade de leitos clínicos e de terapia intensiva na Bahia.

O Boletim e Rede

O Boletim CoVida é periódico, disponível no site covid19br.org.br e é um dos produtos que a Rede CoVida oferece à sociedade. A CoVida nasceu a partir da união entre o Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia) e a Universidade Federal da Bahia (Ufba). Diante da maior crise de sanitária do mundo nos últimos 100 anos, a Rede é uma resposta de pesquisadores e profissionais de comunicação que visam enfrentar a pandemia de Covid-19, apoiando a tomada de decisões dos gestores e oferecendo informações científicas confiáveis a partir do monitoramento de casos, da modelagem matemática e dos saberes reunidos por cientistas de diversas áreas.

 

 

Deixe uma resposta