Webinar sobre razões da explosão da covid-19 no Amazonas acontece quinta

Por Ciência na Rua 

As imagens fartamente mostradas de UTIs superlotadas, de corpos mortos lado a lado com macas de pacientes vivos, das longas filas de carros funerários nos cemitérios da cidade e de caixões enterrados coletivamente em valas abertas às pressas, todas em Manaus, chocaram e provocaram em muita gente, país afora, uma indagação: por que a Covid-19 explodiu no Amazonas antes e mais dramaticamente que em outros estados brasileiros?

É essa discussão que o webinar “Por que a Covid-19 explodiu no Amazonas?” vai fazer na próxima quinta-feira, 7 de maio, das 9h30 às 10h30 horas. Ele é voltado especialmente a jornalistas e comunicadores populares, mas é aberto a qualquer interessado.

Participam da conversa dois pesquisadores muito experientes em distintos temas da Amazônia, o infectologista Marcus Vinicius Guimarães de Lacerda, da Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), e o físico, professor da USP, Paulo Artaxo, mais a matemática, especializada em modelagem, Juliane Oliveira, do Cidacs-Fiocruz. juntamente com as jornalistas de ciência Ana Paula Freire, do Instituto de Pesquisas Energéticas (Ipen/Cnem-SP) e Mariluce Moura, criadora e coordenadora do Projeto Ciência na Rua.

Inscreva-se no webinar aqui 

Os interessados podem acompanhar a apresentação e debates também pelo canal do YouTube do Cidacs/Fiocruz e enviar seus comentários.

O webinário é organizado pelo Projeto Ciência na rua, Rede CoVida e Agência Bori. Veja quem são os participantes:

  • Paulo Artaxo, professor da USP, é um dos mais premiados cientistas entre os estudiosos das mudanças climáticas globais em todo o mundo. Graduado em física, mestre e doutor em física atmosférica pela USP, seu trabalho no exterior inclui passagens pela Nasa, a Agência Espacial norte-americana e pelas universidades da Antuérpia (Bélgica) e Lund (Suécia), além de Harvard. Membro do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), integrou a equipe vencedora do Prêmio Nobel da Paz de 2007, e entre suas principais linhas de pesquisa estão o meio ambiente na Amazônia, física de aerossóis atmosféricos e poluição do ar urbana.
  • Marcus Vinícius Guimarães de Lacerda é médico e um respeitado pesquisador de doenças infecciosas e parasitárias, em especial a malária, com mais de 250 artigos científicos publicados em respeitas revistas especializadas nacionais e internacionais. Graduado e doutorado pela Universidade de Brasília (UnB), é vinculado à Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), especialista em saúde pública do Instituto Leônidas & Maria Deane (Fiocruz-Amazonas), além de professor da Pós-Graduação em Medicina Tropical da Universidade do Estado do Amazonas.
  • Juliane Fonseca de Oliveira é pesquisadora do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para a Saúde (Cidacs-Fiocruz) e tem trabalhado intensamente com modelos matemáticos para traçar projeções para a Covid-19 no Brasil e, especialmente, na Bahia. É matemática graduada pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e doutora em sistemas dinâmicos pelas universidades de Coimbra e Porto, em Portugal.
  • Ana Paula Freire  é jornalista, especializada em jornalismo científico pelo Labjor-Unicamp. Graduada pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM), é mestra em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Capinas (Unicamp). É analista sênior em C&T do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN), depois de 14 anos dedicados ao Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), onde atuou de 1999 a 2013. Atualmente é responsável pelo Informativo Órbita IPEN e por todo o material de divulgação científica e institucional do Ipen.
  • Mariluce Moura é jornalista de ciência e pesquisadora. Criadora e diretora até 2014 da revista Pesquisa Fapesp, é criadora e coordenadora do projeto Ciência na rua, voltado a investigação e disseminação de novas formas de divulgação científica para jovens de 14 a 25 anos, em especial nas camadas de baixa renda da população urbana brasileira.

Deixe uma resposta