Rede CoVida alerta para o uso de Ivermectina na Covid-19

Karina Costa*

Um novo medicamento passou a ser apontado como fonte de combate à Covid-19 em mensagens de desinformação nas redes sociais. Trata-se da Ivermectina, um antiparasitário utilizado para tratar a infestação por piolhos, sarna, ascaridíase, entre outros parasitas. No entanto, os pesquisadores da Rede CoVida emitiram uma Nota Técnica informando que não há evidências de que essa medicação possa trazer benefícios aos pacientes e há riscos de efeitos adversos ainda desconhecidos. 

A Ivermectina é uma potente droga antiparasitária conhecida há muito tempo e amplamente utilizada, conforme relata a nota. Usada para tratar a infestação por piolhos, sarna, estrongiloidíase, tricuríase, ascaridíase e filaríase linfática, entre outros parasitas, o medicamento também foi eleito pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como droga para o programa de eliminação global da oncocercose – doença parasitária endêmica em vários países e responsável por cegueira. 

Mas qual a origem desta desinformação? De acordo com a Nota Técnica da Rede CoVida, esta hipótese foi levantada em um estudo que observou países africanos e que associava o uso de Ivermectina à quantidade limitada de casos do novo coronavírus no continente.  Entretanto, a correlação entre o medicamento e o combate à covid-19 não foi comprovada pelos cientistas. 

Os pesquisadores da Rede CoVida fizeram um levantamento sobre os estágios dos estudos com esse medicamento para o combate à Covid-19.  No portal do International Clinical Trials Registry Platform (ICTRP), estão atualmente registrados 28 ensaios clínicos relacionados com Ivermectina, em vários países (Estados Unidos, Espanha, Egito, China, Colômbia, México, Nigéria, Índia e Iraque): 19 no ClinicalTrial.gov, 3 no European Clinical Trials Registry e outros. Destes, doze estudos estão em fase de recrutamento dos participantes. No Brasil, um estudo em fase de recrutamento promovido pelo Hospital de Base de São José do Rio Preto encontra-se inscrito no Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos

Até o momento não foi publicada nenhuma evidência científica da eficácia e segurança da Ivermectina contra o SARS-CoV-2 em seres humanos. Além da falta de evidências, a  Ivermectina tem alta toxicidade e para pessoas com Covid-19, em que há processos inflamatórios, essa toxicidade pode gerar um efeito neurotóxico, cujos danos são desconhecidos. 

 

Karina Costa * é Mestre em Comunicação e Informação em Saúde pela Fiocruz, analista de comunicação do Cidacs e jornalista pela Universidade Federal da Bahia (Ufba).

Este texto tem a supervisão de Adalton dos Anjos, jornalista pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), relações públicas pela Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas da UFBA. Ele colabora voluntariamente para a Rede CoVida.

Leia a nota técnica na íntegra

Deixe uma resposta